18 agosto 2014

{Resenha} Ame o que é seu - Emilly Giffin

Emily Giffin
Nome do livro: Ame o que é seu
Autor(a): Emily Giffin
Editora: Novo Conceito
Nº de Pág: 312
Classificação: 
Sinopse: “Como amar de verdade a pessoa que está comigo, se não consigo esquecer alguém que ficou no passado?”.O tema deste livro deixa aquela pulga atrás da orelha, te faz imaginar como seria a vida se tivéssemos feitos outras escolhas. Esta é uma história para quem algum dia já se perguntou isso.Em Ame o que é seu o leitor encontrará a história de uma mulher (Ellen) dividida entre o amor real e aquele fatídico 'E, se'.O casamento de Ellen e Andy não parece perfeito, ele é perfeito. São inegáveis a profundidade da devoção mútua e o quanto um esperta o melhor do outro. Mas por obra do destino, certa tarde, Ellen revê Leo pela primeira vez em oito anos. Leo, aquele que partiu seu coração sem se explicar, aquele que ela não conseguiu esquecer.Quando o reaparecimento dele desperta sentimentos há muito adormecidos, Ellen se põe a questionar se sua vida atual é de fato como ela queria que fosse.O desenrolar da história é contagiante, pois a cada página acontecem novas cenas que é quase impossível abandonar a leitura, ou ... não se colocar em seu lugar.

Ellen é uma jovem fotógrafa que mora em Nova York, realizada profissionalmente e casada há exatos 100 dias com Andy, que além de irmão de sua melhor amiga Margot, é um marido exemplar: carinhoso, bonito, bem sucedido, seguro e confiável. Ela vive sem dúvida a melhor fase de sua vida até então, eis que sem qualquer aviso o destino a faz reencontrar num cruzamento qualquer com Leo, seu ex-namorado charmoso e misterioso, por quem foi perdidamente apaixonada e com quem não tinha tido qualquer contato desde o termino abrupto de relacionamento 8 anos antes.

Este inesperado encontro reaviva na memória e no coração de Ellen as  lembranças da paixão intensa que ela viveu com Leo,  de como ele era o centro da sua existência, e do sofrimento que o termino do relacionamento lhe causou. Emoções inevitavelmente comparadas as vividas com o marido Andy, que por sua vez eram agradáveis, confiáveis, seguras, perfeitas demais  para ser verdade. Surgem então dúvidas no coração de Ellen: como teria sido a sua vida com Leo? Se ela tivesse insistido no passado eles estariam juntos até hoje? Seu relacionamento com Andy é realmente feliz ou fruto da acomodação? Quem ela realmente ama? Dúvidas que viram a vida de Ellen de ponta cabeça e a colocam numa verdadeira encruzilhada.

Tenho que dizer que comprei este livro com muitas expectativas porque amei todos os livros que li da Emily Griffin, que foram na ordem: Laços Inseparáveis, Questões do Coração e Prova de Amor. De forma que, apesar de muito bem escrito, acho que este livro ficou um pouco abaixo dos outros na minha preferencia, talvez porque a protagonista não tem o mesmo carisma dos outros personagens criados pela Emily Griffin, e como o livro é narrado em 1º pessoa pela Ellen ele não se aprofunda nos personagens do Andy e do Leo a ponto de fazer o leitor tomar partido de um ou outro.

Mas com o passar do livro, ainda que morrendo de raiva de várias decisões tomadas pela protagonista, passei a gostar  da história, pois reconheci no dilema da Ellen a eterna insatisfação do ser humano, que fica cego para as coisas que já conquistou e deseja sempre o que não tem. Percebi que suas dúvidas não giram em torno apenas de dois homens, mas sim em torno de duas possibilidades de vida diferentes: a que ela tem e a que ela poderia ter tido.

Andy é aquele que proporciona a Ellen uma vida plena,  a torna produtiva embora não precise trabalhar, a inclui numa família harmoniosa, proporciona extremo conforto financeiro, um relacionamento amoroso saudável, agradável e seguro, é “uma manhã de sol na praia”, chega a ser tão bom que a faz questionar se está com ele por amor ou por comodidade. 

Enquanto Leo é aquele que a tira do eixo, a deixa sem chão e a faz esquecer até de si própria, é o salto no escuro, é “uma escalada ingreme numa montanha a beira do precipício ao cair da noite”,  representa também um estilo de vida mais próximo da realidade financeira vivida por Ellen em toda a sua vida, e acima de tudo é o "e se?" – é a fantasia do que poderia ter sido se sua vida se estivesse tomado outra direção. Será que ela seria mais feliz se tivesse que lutar para conquistar as coisas ao invés de tê-las facilmente através do marido? Será um desperdício de vida tentar se adaptar ao estilo de vida da classe social de seu marido? Será que deixá-lo é a solução para suas angústias? Será que reviver este antigo e avassalador amor é a chave para a felicidade?

Este livro me fez refletir que muitas vezes fabricamos a infelicidade para justificar a busca pela felicidade, seja em relação ao amor, ao trabalho ou família, isso porque o desconhecido e o famoso "e se?", são tentações poderosas  e surgem na vida de todas as pessoas, inclusive na de quem tem aparentemente tem tudo. Dai porque algumas pessoas jogam  tudo pro alto em nome de uma felicidade, mas será que nós somos capazes de reconhecer quando ela chega? Talvez "a busca" seja o verdadeiro sentido das nossas vidas e não a felicidade em si.

A Autora também faz um reflexão sobre o que é o amor, um sentimento tão glamourizado que muitas vezes parece nunca ter sido vivido pela maioria dos mortais, quando na verdade  está refletido nos gestos simples, nas ações cotidianas, no cuidar e principalmente nas renúncias. Não necessariamente amamos apenas uma pessoa na vida, mas a renúncia a todos os outros amores para estar com a pessoa escolhida é que dá a medida do amor.

Dou 3 estrelas para este livro porque, como disse anteriormente, a Ellen não tem muito carisma, não tem o mesmo senso de humor peculiar, as vezes até sarcástico que tanto gosto nos personagens, acho que faltou ela rir um pouco de si mesma, de seus dilemas e imperfeições, o  que, na minha opinião, deixa o livro um pouco maçante, não fosse a expectativa por descobrir qual decisão ela tomou ficaria difícil seguir até o final.

Enfim, "Ame o que é seu" de forma despretensiosa nos desperta para estas questões tão importantes: felicidade e amor, só por isso já vale a pena ler!

Marina

32 comentários:

  1. Oi Marina.
    Meu primeiro contato com a Emily Giffin foi com esse livro.
    E apesar de também ficar irritada com algumas atitudes e indecisões de Ellen, eu gostei da leitura,
    li realmente de forma de despretensiosa, mas não fiz divagações nem reflexões, foi uma leitura tipo: 'eu só quero é me divertir' rsrs.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paty! Se você gostou deste vai adorar os demais da Emily Griffin, em "Quetões do Coração" eu literalmente transpirava de nervoso com os acontecimentos kkkk, por isso minha expectativa era muito alta.
      Bjo

      Excluir
  2. Olááá!
    ainda não li nada dessa autora. AINDA!
    mas sua resenha, mesmo que falando que Ellen não é carismática, me abriu os olhos... só para ver se entrarei nesse mundo de reflexões...
    Acho que "e se" podem ser a sentença de uma vida de arrependimentos, uma vida de dúvidas!
    Amei a resenha!

    Um beeijo Lara.
    Blog Meus Mundos no Mundo | | Página Coração Furta-Cor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lara! Gosto de ler o livro tentando imaginar o que faria no lugar da personagem, isso ajuda a entender as entre linhas e refletir sobre a história. AMO a Emily Griffin!
      Bjo

      Excluir
  3. Oi, Marina. Concordo com você, o ser humano parece estar quase sempre insatisfeito com suas conquistas e pensando que nada está bom. E cair no "E se?" pode ser a maior cilada para a infelicidade. Pena que este não comoveu você como os outros da Emily. Mesmo assim faz a gente refletir, né? Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Marina, querida, que resenha! Fiquei encantada, principalmente, com suas observações maduras sobre as questões do livro, que poderiam passar mesmo despercebidas. Nem sempre conseguimos enxergar algo mais nas entrelinhas, perdendo um bom momento de reflexão. É o que mais aprecio numa leitura, essa capacidade do autor em provocar o leitor, de levá-lo a questionar a própria vida.
    Apesar do livro não corresponder à altura da proposta, você soube muito bem tirar as lições que a autora não desenvolveu melhor, talvez, por conta da escolha da narrativa em primeira pessoa e da construção de uma personagem sem empatia... pecados que podem levar o livro do céu ao inferno, rsrs... nós, leitores, não temos muita piedade com personagens assim.
    Palmas pra vc, que extraiu o melhor da leitura e soube abrir os olhos do leitor para esses parênteses que a adorável Emilly Giffin inseriu com sensibilidade no livro.
    Adorei!
    Beijoooo!
    As Meninas que Leem Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Manu! Sempre dá para extrair algo de bom de um livro certo!
      Um beijo

      Excluir
  5. Marina, como você eu sou apaixonada pelos livros da Emily Giffin!
    Comprei Ame o que é sei a um tempinho já, mas li tantas resenhas medianas como a sua, que fui adiando a leitura..
    Sempre curto os temas abordados e essa questão do 'e se' é muito interessante. Um pena a protagonista não colaborou. Ainda sim, quero ler. Só espero me animar mais um pouquinho hahah
    Mas como você disse, só as reflexões já valem a pena.

    Beeijos, Dreeh.
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ufa então achei alguém que entende minhas expectativas! kkkk
      Mas realmente vale a pena dar uma olhadinha neste livro dela também.
      Um beijo

      Excluir
  6. Oi Mari,
    Quero muito ler os livros da Emily Giffin e estão na minha lista de desejos. Amei a sua resenha e a forma reflexiva que a conduziu me conquistou, pois gosto de livros que me fazem refletir e ponderar uma série de questões e dilemas meus, de outras pessoas, da sociedade. Enfim, apesar de você ter colocado que não agradou muito e já tendo a certeza de que também me irritarei com alguns acontecimentos nele narrado, quero ler este livro.

    Beijos
    Tânia Bueno
    www.facesdaleiturataniabueno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tania, vale muito a pena ler Emily Griffin, é bem o estilo de leitura que eu gosto, pois são histórias e pessoas comuns, seus dilemas, coisas que poderiam acontecer com qualquer um, mas que são contadas de uma forma toda especial, delicada e envolvente.

      Beijos
      Marina

      Excluir
  7. Ola Marina gosto dos livros dessa autora, mesmo que alguns não tenha o final que esperei , esse ainda não li, gostei da resenha e fiquei curiosa ao saber do desfecho. Muitas vezes estamos bem e la no fundo deixamos sentimentos inacabados , mas nunca devemos ficar com a sensação do "SE" devemos VIVER O presente sem pensar o que seria com outras decisões . Vou ler sim . beijos

    ResponderExcluir
  8. eu passei muita raiva com esse livro rsrsrs, mas no fim os dilemas e como a autora te coloca pra pensar faz muuuuito bem!
    mas eu estou do lado da Tessa!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Shame on me! Tenho todos os livros da Emily Giffin e até hoje não li nenhum. TÁ SERTA! Esse eu tenho com a outra capa, do estilo dos outros dela. Não li mesmo por falta de vergonha na cara, porque acho que vou gostar.
    Mesmo não tendo te prendido tanto, você conseguiu refletir bastante sobre ele, isso é muito bom!
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  10. Buscar é mais motivador que encontrar; quando buscamos estamos sendo impulsionados para alguma coisa, e quando isso é a felicidade sempre estamos a procura dela, por isso nossos interesse mudam. Nunca li nada da autora, mas já que ela coloca questões reflexivas livros assim sempre são bem vindos. O bom é que apesar de não ter se envolvido tanto, penso que o que ficou é realmente o mais importante. Achei essa capa que você mostrou mais bonita do que a que eu conheço.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Oi Marina! Eu não li nada da Emillt Giffin, mas tenho muita vontade.. apesar de o livro ter suas resenhas, ainda pretendo ler ele.. mas acredito que vou começar por outros livros, Questões do coração, antes de iniciar a leitura de Ame o que é seu.

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Ainda não li nenhum livro da autora, mas em todas as resenhas só leio maravilhas sobre a autora.
    Adoro livros que nos fazem pensar, pois alguns são só para distração, enquanto esse tras uma abordagem mais profunda.
    Adorei sua resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Oi, Marina
    Dificilmente eu leria esse livro. Premissa não me atraiu e o triângulo amoroso menos ainda! rs Uma pena que a Ellen não tenha carisma ><
    E concordo com você, as vezes fabricamos a infelicidade para justificar a busca pela felicidade. :s

    Abraço
    Adriano
    GeraçãoLeitura.com

    ResponderExcluir
  14. Já li três livros da autora, dois que amei e um que odiei.. então estou precisando tirar a "prova dos nove".. kkk Adorei saber a sua opinião sobre a obra. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  15. Olá Chrys!
    Esse livro foi o primeiro que li da Emily Giffin. Como li em 2012, confesso que nem lembro muito da história. Mas eu amei a sua resenha, por que tocou nos pontos fortes do livro e nos fez refletir sobre várias coisas na nossa vida.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi, Marina.

    Nunca li nada da Emily, mas fico grato por sua informação sobre ela não ter carisma. Nunca havia ouvido falar do livro, porém saliento que a premissa dele (e o fator "pensamentos" acerca do amor) o deixam ainda mais elevado no meu conceito. Enfim, fiquei meio receoso em relação à nota. Vou pesquisar um pouco mais para ter melhores conclusões e, talvez, algum dia o compre!

    Até logo,
    Sérgio H.

    www.decaranasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Pena que a protagonista não tem o carisma dos outros personagens criados pela autora, dela só li Presentes da Vida até hoje e gostei bastante. Achei bem legal a Emily abordar essa questão do ser humano querer sempre o que não tem, e também gostei da escolha da protagonista não ser necessariamente apenas entre dois homens, e sim entre duas possibilidades de vida diferentes.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  18. OI Marina, tudo bem???
    Nossa, estou sem fôlego com seu texto. Você questionou tantas coisas, levantou tantos "se", que quando estava pensando na resposta de um deles, lá vinha você com outro. Se o livro fez isso com você já é motivo suficiente para eu desejá-lo, mesmo que ele não seja perfeito, para mim se tornou no momento que me tirou da zona de conforto.
    Adorei e quero muito ler.
    beiinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Não curti muito a história não, ainda mas com os problemas que você apontou na resenha, não fiquei interessado kkk

    Abraços!
    http://pipocaradioativa.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Olá Marina,
    esses dias li um livro parecido quase a mesma mensagem, contudo eu amei a leitura. Mas falando sobre este em questão... Eu gostei da premissa dele, achei a historia legal e bastante envolvente. Ate por que ali no final você ressalta a mensagem ao todo da leitura, o que acho de suma importância.
    Sim, talvez faltou a autora trabalhar mais e deixar a personagem mais carismática e ao nosso ver engraçada. Mas eu acredito que pode melhorar, então decidi por mim que darei uma chance a esta leitura e já adicionei a minha lista. Agora espero muito em breve poder ler.

    Parabéns pela resenha!

    Beijokas Ana Zuky

    ResponderExcluir
  21. Olá, Marina!
    Nunca li nada da Emily, mas já ouvi muito sobre a autora, em sua maioria, coisas boas. Porém, mesmo que os temas abordados por ela sejam reflexivos, nunca consegui me interessar ao ponto de chegar a ler um de seus livros. Admito que não tenho muita paciência para "dúvidas de vivência", é um tanto maçante. E personagens do tipo que estão dispostos a trocar tudo (que no caso é bom) por uma aventura sem sentido e que pode (na maioria das vezes) arruinar sua vida, são, no meu ponto de vista, burros. Você não deve se arriscar se tem tudo a perder... fico curiosa sobre a decisão da personagem, mas não lerei pois já estou agoniada com ela e se fosse possível daria uma sacudida para ver se ela acorda.

    Sua resenha foi ótima! Tanto que já formei minha opinião (meio exagerada_ hehehe)!!!
    Bjoos!!

    ResponderExcluir
  22. Oiee.

    Eu li este livro há muito tempo e quando o li eu gostei bastante.
    Sua resenha me fez ver por outro prisma e acredito que hoje não leria o livro novamente.


    Beijos!
    http://fernandabizerra.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Oi Flor!
    Eu gostei da resenha e gostei da mensagem do livro, já li muitos elogios para com essa autora e alguma criticas também, mas o livros dela não me chamam atenção! Não sei pq, mas não são minhas prioridades!
    Beijinhos
    Paulinha Juliana

    ResponderExcluir
  24. Olá Marina, tudo bem?

    Nunca li nada da Emilly Giffin, mas como sei que ele é daqueles romances bem melosos, acabo deixando de lado, por enquanto.

    Beijo

    ResponderExcluir
  25. Este eu ainda não li, apesar de ter interesse, ainda não parei para ler.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  26. Olá, adoro essa autora e preciso urgentemente
    ler mais livros dela, adoro sua escrita. Esse é um livro
    que também tenho curiosidade para saber a seu respeito,
    uma pena o livro ter se tornado massante,

    bjs

    http://www.loveebookss.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Oi Marina,

    Esse foi o primeiro livro da Emilly que li e gostei muito na epoca, mas concordo com você o livro merece somente três estrelas, mas pela falta de carisma e Ellen.
    Enfim gostei da resenha e sou fã da autora..
    Beijo

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!