15 julho 2014

{Resenha} Don Juan - Alessandro Baricco

Galera Record
Título: Don Juan
Autor(a): Alessandro Baricco
Editora: Galera Record
Gênero: Releitura de Clássico
Sinopse: Contada várias vezes em várias adaptações e derivações através dos séculos, eis a história de Don Juan, um lendário rico e libertino que dedica a sua vida à sedução de mulheres. Sua vida, na qual se orgulha por poder seduzir mulheres de todos os tipos e idades, é pontuada por violência, jogos de azar e outros elementos que vão de encontro com a sua natureza hedonista.
Antes de começar a falar sobre o livro, quero dar destaque ao projeto Save The Story, pra vocês entenderem todo o contexto no qual o livro está inserido.

Salvar a história pode ser interpretado como uma missão. O intuito é salvar do esquecimento contando novamente, agora, com a linguagem apropriada, as grandes histórias para as novas gerações. A transmissão da herança dos grandes clássicos da literatura mundial para os jovens leitores se tornou uma urgência, que foi assumida pelo projeto Save The Story, e o resultado é uma narrativa pessoal - de cada autor - de uma história comum e universal, ao lado dos desenhos de ilustradores experientes e talentosos. Ao final de cada exemplar, um texto contextualiza a importância das histórias e fala de seus autores originais.
A Galera já lançou 3 livros - Gulliver, Os Noivos e O Nariz, e este é o 4º livro. Como adoro releituras, embarquei nessa aventura.

Mas peço mais um pouquinho de paciência a vocês pra explicar a história desse tão famoso conquistador, pra isso pedi ajuda à Wikipédia. Aviso: se você for ler a página, vai encontrar spoiler do final do livro!

Don Juan é um personagem arquetípico da literatura espanhola e que detém uma ampla descendência literária no continente europeu. As lendas diziam que ele seduzira, estripara ou matara uma jovem moça de família nobre da Espanha, e também assassinara seu pai. Depois, tendo encontrado num cemitério uma estátua deste, jocosamente a convidara para um jantar, convite este aceito alegremente pela estátua. O fantasma do pai ali também chegara. As visões acerca da lenda variam de acordo com as opiniões sobre o caráter de Don Juan, apresentado dentro de duas perspectivas básicas. De acordo com uns, era um mulherengo barato, concupiscente, cruel sedutor que buscava apenas a conquista e o sexo. Outros, porém, pretendem que ele efetivamente amava as mulheres que conquistava, e que era verdadeiramente capaz de encontrar a beleza interior da mulher. As versões primitivas da lenda sempre o retratam como no primeiro caso.
Como vocês puderam perceber, Don Juan é uma lenda, a qual foi retratada por diversos artistas durante os últimos tempos. A primeira aparição deu-se no século XVII, com o conto El burlador de Sevilla y convidado de piedra ("O conquistador de Sevilha e o convidado de pedra"). A história foi recontada por diversos autores, dentre eles Honoré de Balzac, Miguel de Cervantes e José Saramago. E Don Juan faz uma ponta em Dragões de Éter - Círculos da Chuva, do brasileiro Raphael Draccon. Seguindo o ditado "quem conta um conto aumenta um ponto", esse personagem dá o que falar!

Na versão de Save The Story, Don Juan é um mulherengo incurável, orgulhoso de suas conquistas, tanto que tem um caderno para anotar o nome de todas as mulheres com que teve um caso.

Dona Elvira é a número 988 (ele já estava na 1.004); levou meses até ser conquistada, se apaixonou por Don Juan, casaram, mas ele a abandonou no dia seguinte. Desde então, ela estava à procura de seu amado pelas cidades da Espanha com um objetivo: matá-lo. Pra isso, ainda conta com a ajuda de seus 2 irmãos, também sedentos de vingança.

Dona Elvira

Don Juan  não é um idiota, é apenas um homem que ama as mulheres, e as ama tanto que lhe é impossível amar uma só. É tão gentil que seria incapaz de decepcionar uma delas sequer, e se elas o querem, por que ele deveria recuar? Pense bem, ele fez a senhora sofrer, é verdade, mas foi para fazer outra feliz, muitas outras. Se tivesse ficado com a senhora, casado, de chinelos, com um bando de fedelhos entre os pés, quantas outras mulheres teriam deixado de conhecer a felicidade e aquele sabor de vida e de liberdade que só ele consegue presentear? A senhora mesma, o teria conhecido se ele tivesse se casado com aquela anterior à senhora? No fundo, me diga, o que prefere? Um único dia de felicidade com ele, na vida toda, ou toda uma vida sem nunca conhecê-lo?

Só que, entre casar com Dona Elvira e ser encontrado por ela, ele se encantou por Dona Anna, noiva, filha do Comendador. Na noite em que Don Juan lhe roubou um beijo, ela gritou tanto que acordou o pai, e este resolveu lutar pela honra da filha. Nosso galã foi o único a sair vivo da briga.

Agora junte a perseguição dos irmãos de Dona Elvira com a ira da estátua do Comendador, que ganhou vida no cemitério. Pronto, Don Juan estava encrencado!
Viva a liberdade mesmo que ela custe sua vida. Viva a liberdade mesmo que custe a vida dos outros. Viva a liberdade, custe o que custar.
Não vou contar o final, mesmo você já tendo lido na Wikipédia, e omiti muitos detalhes da narrativa. O livro é tão fininho (só 94 páginas), com uma letra tão grande e cheio de ilustrações, que se eu contar mais alguma coisa perde totalmente a graça.


Don Juan e Leporello
Destaque pra Leporello, o jovem assistente de Don Juan, que atualiza seu caderno de conquistas, o acompanha e justifica. Ele é engraçado pela sua ingenuidade, adorei esse personagem!

Outra coisa legal foi a narrativa. Como é uma história antiga recontada pra pessoas de hoje, o autor brincou com algumas coisas, o que deixou bem divertido. Por exemplo:
Partiram velozes como foguetes, que à época não existiam, naturalmente, mas é para podermos entender.
Eu esperei mais, acho que por conta da fama que envolve essa lenda. Achei as ilustrações feinhas, mas entendi que fazia parte do estilo. Não foi isso que me fez tirar 2 estrelas. Sinceramente, o problema foi a decepção que tive depois de tanta expectativa.

Vale a pena tirar alguns minutinhos pra conhecer a versão contada por Alessandro Baricco. Pelo menos você já fica sabendo que fim levou Don Juan.

Beijos

10 comentários:

  1. Oi, Giulia
    Baricco é um autor que quero muuuuito ler, especialmente seu tão comentado e bem recomendado SEDA.
    Adoro essas versões atualizadas. Acho mesmo que abre as novas mentes para os clássicos, com novas roupas. Podem mesmo acabar conquistando leitores que jamais abririam um original. Em edições caprichadas - ilustradas e rapidinhas - assim, fico com vontade de experimentar os grandes nomes que, até agora, não encarei por serem volumosos livros de 600 páginas... por isso acho a ideia muito válida. Se nos apaixonarmos pela história, será um bom caminho para correr pro original, pelo menos comigo é assim. E a turma jovem acabará conhecendo obras (ainda que contextualizadas) que jamais teria vontade de ler.
    AMEI!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gosto, Manuh. Tenho curtido à beça essas releituras com uma roupagem moderna. Os jovens costumam torcer o nariz pra clássicos, então talvez essa seja a maneira de atraí-los; depois, se interessar, eles procuram o original. Eu sou uma que tenho receios com literatura clássica, traumas de escola. Por isso fiquei animada quando anunciaram aquela nova versão de O Alienista (me julguem. rs).
      Beijinhos!

      Excluir
  2. Gostei da sinopse,com certeza vou ler,quero ajudar a Elvira a amata-lo, que sem vergonha hahaha.
    http://blogdalubraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahaha! Don Juan tem a alma conquistadora. Como disse Leporello, "o que prefere? Um único dia de felicidade com ele, na vida toda, ou toda uma vida sem nunca conhecê-lo?". ;)

      Excluir
  3. eu não sabia que era lenda! chocada!!! então como amo uma releitura creio que vale a pena conferir!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem eu! kkkkkk Fui pesquisar pra colocar aqui no post e fiquei chocada! rs

      Excluir
  4. Oi Giulia, tudo bem?

    Não tinha conhecimento deste livro, na realidade nenhum mesmo (rsrs). Enfim, acho que leria essa obra em apenas poucas horas, justamente por ela ter 94 páginas, e como você disse, pelo fato de contarmos com um personagem engraçado, no caso, o Leporello. Bom, pareceu-me uma história divertida, mas não irei criar muitas expectativas.

    Abraços,
    Gustavo Demétrio
    Vida de Leitor - vidadeleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Amo recontos (mesmo que não sejam de fadas) e adoro quando desenterram uma obra a tanto tempo deixada de lado para refaze-la com o devido mérito. Acho esse projeto de salvar as histórias uma fofura só, e se não me engano tem um filme baseado na história de Don Juan, ou estou enganada?

    ResponderExcluir
  6. Oieee
    Que Don Ruan mais cafajeste,lendo sua resenha fiquei bastante interessada na história mas quando cheguei ao final descobri que tem tão poucas páginas :(
    De qualquer forma a leitura deve valer a pena e que ilustrações mais lindas não páginas são essas?,e olha que eu geralmente odeio elas.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Gente, mas esse Don Juan apronta mesmo hein kkk
    Achei essa ideia muito interessante, bem legal mesmo adaptar os clássicos para uma linguagem mais atual. Adoro releituras e esta pareceu ser ótima mesmo, fiquei curiosa para saber como Don Juan irá sair dessa estória rs
    beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!