23 março 2014

[Resenha] A Culpa é das estrelas - John Green

Título: A culpa é das estrelas
Autor(a): John Green
Editora: Intrínseca
Nº páginas:
Gênero: Sick Lit
Sinopse: A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.
“Meus pensamentos são estrelas que eu não consigo arrumar em constelações”.
Ainda impactada por tudo que eu senti depois da leitura de ACEDE, eis-me aqui humildemente tentando escrever algo que chegue aos pés do brilhantismo de John Green. Já aviso logo: a resenha vai ser grande. São tantos post-its que eu me perco pra encontrar o quote que quero.
Esta não é uma história sobre câncer qualquer (se você quer uma assim, leia Nicholas Sparks, não desmerecendo o autor e seus romances). Green supera toda e qualquer expectativa. Eu já tinho lido inúmeras resenhas lindas e emocionadas, mas não imaginei que fosse me tocar tanto! Logo eu que sou difíííííícil de chorar com livro. Mas me enganei, felizmente.

Antes de falar sobre a história, quero falar sobre Hazel, nossa protagonista e narradora. 16 anos, câncer na tireoide que acabou se espalhando pelos pulmões. Eu me identifiquei MUITO com essa personagem, de verdade.

Hazel é irônica, mesmo quando a situação é crítica.
 “[...] a versão resumida do meu milagre: diagnosticada com câncer de tireoide em estágio IV aos treze anos. (Não contei que o diagnóstico veio três meses depois da minha primeira menstruação. Tipo: Parabéns! Você já é uma mulher. Agora morra.)”.
Hazel tem dificuldades de respirar (obviamente).
"Ai, meu Deus. Deixe eu só dizer para você como é não conseguir respirar? É UM INFERNO. Totalmente decepcionante. Totalmente”.
 Hazel tem um humor negro.
"Não dava para terminar de comer a sobremesa. Meu estômago estava cheio demais. Fiquei com medo de vomitar, na verdade, porque de vez em quando eu vomitava depois de comer. (Nada a ver com bulimia, só câncer.)”.
E várias outras coisinhas que me fizeram mergulhar no universo de Hazel (tipo a mãe superprotetora, mas que ama TANTO a filha e o fato de ela não ir dormir antes de acabar de ler um livro). Agora que você já entendeu minha quase devoção por Hazel, vamos à história...

Ela estava num estágio muito crítico do câncer, quase partindo dessa pra melhor, quando os médicos testaram uma nova droga que controlou e diminui a doença - o milagre. Mas ela só consegue respirar com auxílio, então anda pra todo lado com seu cilindo de oxigênio num carrinho.

Por pressão da mãe, ela frequenta um grupo de apoio, mas não gosta muito de lá. Isaac é o único do grupo que parece entendê-la - um menino que teve câncer ocular e precisou retirar um olho.

Um dia Isaac leva seu amigo Augustus ao grupo, num período em que seu câncer voltou e ele precisará operar novamente, ficando totalmente cego. Gus também já teve câncer, osteorssacoma pra ser mais precisa (não precisa ser conhecedor de doenças cancerígenas pra sacar que é câncer nos ossos, né? osteo... osteoporose, lembra?). E, por conta disso, Gus precisou arrancar parte de uma das pernas, colocou uma prótese em seu lugar e não apresenta mais indícios de câncer. Ah, ele é alto, bonito, musculoso, inteligente...

Gus também me surpreendeu com suas tiradas geniais de sarcasmo, que eu prefiro chamar de humor inteligente.
“- Estamos literalmente no coração de Jesus... Achei que estivéssemos no porão de uma igreja, mas estamos literalmente no coração de Jesus.- Alguém deveria contar isso para Jesus - falei. - Quero dizer, deve ser perigoso ficar guardando crianças com câncer no coração.- Eu mesmo poderia contar - o Augustus falou -, mas., para minha infelicidade, estou literalmente no coração Dele, então Ele não vai conseguir me ouvir.Detalhe: Gus é adepto a metáforas. O maior exemplo é colocar um cigarro na boca sem acendê-lo. "Tipo: você coloca a coisa que mata entre os dentes, mas não dá a ela o poder de completar o serviço."”.
Gus fica encantado com Hazel (e vice-versa), quer conhecê-la melhor e convida para ir a sua casa assitir a um filme, com a desculpa de que ela se parece com a atriz. Conversa vai, conversa vem e no meio da conversa o assunto 'leitura' vem à tona. Ela fala de seu livro preferido, Uma Aflição Imperial (fictício) e ele promete que lerá; em troca, ela deve ler o livro indicado por ele, uma adaptação de um jogo de video game.

Hazel não lê só o livro indicado, mas também o de continuação. Ele termina a leitura de UAI com a mesma sensação que ela teve: o livro é inacabado, com as respostas ficam soltas... Inconformados com o final da história, resolvem ir em busca das respostas diretamente com o autor, o que envolve e-mails, cartas e até uma viagem.

Hazel e Gus se apaixonam, mas sem aquela melação típica dos casais adolescentes. Os diálogos são recheados de carinho, ironia e inteligência.
"- É por isso que gosto de você. Você tem ideia de como é raro encontrar uma gata que use essa versão adjetivada do substantivo pedófilo? Você está tão ocupada sendo você mesmo que não faz ideia de quão absolutamente sem igual você é".
Gostei da forma como Green colocou este romance: apesar do câncer ser uma dificuldade, eles conseguiram superar juntos. Mas isso não torna o livro dramático ou utópico; as partes ruins da doença também são descritas.

Eu fiquei muito tempo tentando entender o porquê do título, lendo as resenhas, vendo os comentários, e essa dúvida permanecia na minha mente. Mas Green explica numa carta de Gus. Que sacada genial do autor com o título!
“[...] nunca Shakespeare esteve tão equivocado como quando fez Cássio declarar: "A culpa, meu caro Bruto, não é de nossas estrelas / Mas de nós mesmos."
Senti falta de mais presença de alguns personagens, como a amiga de Hazel, a (ex)namorada de Isaac e até mesmo o pai da protagonista (eu queria ver mais a relação dos dois). Mas isso não diminui nem um pouco minha predileção por ACEDE.

A capa é simples, porém linda. Sabe aquela máxima "menos é mais"? Se aplica perfeitamente aqui.
As páginas fluem sem você perceber, quando você se dá conta, já chegou à metade do livro.

Termino a resenha certa de que não consegui expressar tudo aquilo que eu senti lendo e pensando posteriormente. ACEDE nunca sairá da minha lista de livros pra ler, pois sempre vou querer pegá-lo e me deliciar com os diálogos do meu casal literário preferido.
"Às vezes, um livro enche você de um estranho fervor religioso, e você se convence de que esse mundo despedaçado só vai se tornar inteiro de novo a menos que, e até que, todos os seres humanos o leiam”.
Só posso dizer uma coisa: LEIAM! 
“Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de números entre 0 e 1. Tem o 0,1 e o 1,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros. Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e o 2, ou entre o 0 e o 1 milhão.Alguns infinitos são maiores que outros. [...] Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter”.

 Vamos comentar! Você leu, não leu, vai ler?

Beijos

23 comentários:

  1. sou louca para ler esse livro. Sempre ouço bons comentários e ja faz um tempinho que ele está na lista de desejados
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compre logo, leia logo, chore logo e entre pro grupo de ACEDEmaníacos logo! :D

      Excluir
  2. Oie Giulia!!!

    Eu li ACEDE ainda no ano passado e quando terminei fiquei assim meia deprê, meia feliz, sei lá foi um misto de emoções e noossa eu separei taaaaantos quotes, hahaahaha, é impossivel não fazer isso!
    Amei o fato da Hazel ter um humor negro, porque com isso nós conseguimos chorar menos, o fato de John escrever uma história tão triste mas de uma forma divertida e como ele conseguiu mostrar através dos fatos que a felicidade está nas pequenas coisas e que o amor é a conversa entre duas almas e não entre dois corpos (uaau John me fazendo poetizar hahahahah). Mesmo com todos os problemas e com a doença Hazel e Gus se amaram e foram felizes enquanto a vida deixou!!! Todooos os personagens são excêntricos e acho que nunca vou ler um livro que fale sobre o cancêr tãaaaao lindo igual esse!!!! ATé a Menina que Semeava que é um predileto meu perde pra ele!!!
    Noossa eu amei a capa, ela é simples e muiiito fofa, na medida certa.
    Agora chega de escrever, porque eu tô resenhando o livro nesse meu comentário! hahahahahaha

    Beijos!

    Meu Diário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ACEDE em um lugar especial e cativo no meu coração. Penso exatamente como vc. rs! ♥

      Excluir
  3. Adorei a resenha e concordo demais com você: ACEDE nunca sairá da minha lista!
    É um livro para ser relido, saboreado e apreciado. É muita beleza e muita sensibilidade para uma história só. John Green me ganhou de cara com esse livro lindo.
    Recomendo a todos!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Relendo a resenha e vendo os comentários de vcs, dá até vontade de ler tudo de novo. rsrsrrs! Muito amor num livro só!

      Excluir
  4. cara eu acho q esse livro é difícil vc transmitir tudo q sentiu, eu simplesmente sou apaixonada por ele e gstaria de ver o filme logo!

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Impossível mesmo. Não dá pra colocar em palavras todos os sentimentos que o Green despertou. E nem me fala do filme, tô numa aflição imperial por ele! rsrsrsrs

      Excluir
  5. Esse livro é maravilhoso, só de pensar no final as lágrimas já vem nos olhos, Gus! <3
    http://exceptionss.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Final = </3
      Chorei, não acreditei, fiquei com um buraco no coração. :(

      Excluir
  6. Oi Giulia, que bom que você gostou tanto de ACEDE. Agora você precisa ler A estrela que nunca vai se apagar, tenho certeza de que irá se emocionar também. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse eu estou evitando com todas as minhas forças. Nem pego na livraria pra não dar vontade.
      ACEDE pelo menos tem o consolo de não ser real, mas o da Esther não. :'( Tem que rolar muito preparo psicológico pra isso...

      Excluir
  7. Eu não li, tenho alguma vontade de ler, mas acredito que John Green seja um pouco super-estimado. Dos poucos trechinhos que vejo por aí, noto coisas bonitas que ele escreve, mas não acho nada fora do comum, nenhuma filosofia que me faça pensar de verdade, que me faça refletir. Tem muita gente que é fã dele, e gosta de como escreve, ainda não tive a oportunidade de ler um livro do autor mas não tenho muitas expectativas. Talvez por ele falar de temas que não me interessem muito, acho. Mas acho fascinante o poder de alcance que seus livros tem, praticamente todos que eu conheço já leram algum livro dele. A publicidade tem um dedo aí é claro, porém as opiniões em sua maioria são sempre positivas, então vou dar uma chance e quem sabe eu mude a minha também!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nenhum livro é feito de frases isoladas, claro. O que me deixa fascinada em ACEDE é o modo como ele construiu toda a história, como juntou esses pedaços que vc costuma ler em um enredo emocionante, tratando de um assunto tão delicado com uma leveza impressionante. Gostei de Teorema, não gostei de Cidades. Mas Green me conquistou com ACEDE. :D

      Excluir
  8. Parabéns pela resenha!
    Não tem palavras para descrever tamanha emoção ou emoções,chorei muito,envolvente,emocionante... tudo de bom não vejo a hora do lançamento do filme espero que adaptação seja tão bom quanto o livro!
    beijinss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo trailer, o filme vai ser lindo. Ansiosíssima pra ver meu livro querido nas telonas. o/

      Excluir
  9. Eu amo ACEDE.
    Um livro super divertido, apesar da doença permear toda a estória. Achei a maneira como o autor retratou o universo de pessoas com câncer genial! Nada clichê...
    Um dos meus livros preferidos, com certezaaa.
    Fiquei feliz que vc tenha gostado :)
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Ahhh, e estou super ansiosa pelo filme ♥

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Li esse livro e como amei demais o dei de presente. Acho que eu queria compartilhar meus sentimentos com outra pessoa, depois quis ele de volta, e ganhei de uma amiga muito querida. Recebi o livro com uma dedicatória linda, onde ela relembrava que por conta da perda de um filho, no hospital ela deu um 9 à dor que era dez (essa passagem do livro me emociona demais). E este é o meu preferido dos preferidos!!!

    ResponderExcluir
  13. Olá Gi!!
    Nossa comprei este livro há algum tempo e não consegui ler ainda ( acho que por medo de me decepcionar), mas quero ler em breve e matar minha curiosidade e ter uma opinião formada pelo livro.Pois como sei que este livro é emocionante estou esperando o momento certo para realizar este tipo de leitura também
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  14. Oi Giulia, o livro é ótimo mesmo, acho que todos deveriam ter a oportunidade de ler e aprender. Me emocionei muito com a história, só espero que o filme esteja de acordo.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  15. Giulia, o meu aguarda pacientemente a vez de ser lido. Sempre li ótimas resenhas e muitos comentários favoráveis ao livro, mas ainda assim não encarei. Porque sou uma chorona e não sei se vou aguentar. Sua resenha caprichada me aproximou mais dos personagens e me fez perceber que estou perdendo tempo. Já para a frente da fila, ACEDE!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!