27 agosto 2012

RESENHA - O Livro de Julieta - Cristina Sanchez-Andrade



Oieee Gente linda!

Hoje tem resenha de "O Livro de Julieta" da Autora Cristina Sanchez-Andrade.


Sinopse: Um biquíni novo da Hello Kitty, um passeio de mãos dadas com os irmãos, uma piscina de bolinhas, a chuva, a rotina... Para Julieta, a felicidade é isso. Já para sua mãe, a jornalista espanhola Cristina Sánchez-Andrade, a felicidade é algo um pouco mais complicado, principalmente depois que sua filha foi diagnosticada com síndrome de Down. “Ela vai te fazer companhia a vida inteira”, “É um presente de Deus”, “Você é forte, vai superar” - é tudo o que tem ouvido desde então.
Numa sucessão de memórias, bilhetes, cartas, diálogos, sonhos e impressões, este livro narra a história real de Cristina e sua filha. É uma história de atividades, de trabalho, de constância, de cobrança, de médicos. Mas é também uma história de amor, de carinho, de brincadeiras, de beijos e de cócegas. É a história de uma criança especial, mas é também a história do cotidiano de uma família, em que desponta uma protagonista cativante. Julieta é uma exímia imitadora, tem medo de guarda-chuvas abertos, admira a irmã mais nova e tem um relacionamento muito próximo com o pai. É impossível não amá-la, mas, às vezes, quando ela insiste em fazer xixi nas calças todos os dias ou toma detergente, é impossível não perder a paciência.
Ao mesmo tempo grave e divertido, leve e profundo, doce e mordaz, O livro de Julieta é, acima de tudo, a tentativa de uma mãe de atravessar a distância que a separa de sua filha e adentrar seu território, enxergando-a exatamente como ela é.

Bom, assim que eu vi a capa deste livro e li a sinopse, eu sabia que teria que lê-lo.

Comprei com muita expectativa, principalmente por ser um livro que possui como enredo a convivência de uma mãe com uma filha portadora de Síndrome de Down.

A Capa é maravilhosa... PINK, com florzinhas metalizadas e brilhantes. A Diagramação também é muito bonita, os capítulos possuem títulos e subtítulos e também um desenho no canto superior das páginas de abertura do capítulo. É lindo e caprichado!




Os capítulos são curtos, muitas vezes ocupando apenas uma página e tendo os mais longos no máximo 3 páginas, onde a história é contada como se fosse um diário de anotações, de lembranças e momentos importantes da vida de Cristina e Julieta!

O Livro é narrado pela própria Autora, Cristina é casada com Daniel e mãe de 5 filhos, tendo apenas Julieta nascido com deficiência.

Julieta nasceu em Março de 2003, e sua doença fora descoberta apenas no momento de seu nascimento, enquanto Cristina ainda estava na mesa de cirurgia. Apesar da idade um pouco avançada, Cristina preferiu não fazer a amniocentese (exame que diagnostica a síndrome de Down, dentre outras).


A partir daí, Cristina apresenta suas experiências, no que eu chamaria de diário, trazendo ao leitor, passagens com a filha contadas através de lembranças, sonhos e desabafos.
Cristina narra a dificuldade física e psicológica que é ter uma filha (o) portadora desta doença.


"O difícil é aceitar que esse menino ou menina "imperfeito" tem o nosso sangue!"

Quando Cristina soube da doença, logo após ver a filha, lançou-se no jardim do hospital à procura de um trevo de quatro folhas como sinal de sorte e a indicação de erro dos médicos. Eles não estavam errados!


"No final, soprando minha franja para poder enxergar melhor, eu dizia a mim mesma que o que acontece com os trevos-de-quatro-folhas também é um excesso de material genético: um cromossomo extra, uma folha a mais"

A Autora nos mostra a dor e o choque que é receber uma notícia dessas após passar uma gravidez inteira imaginando uma filha que não é aquela que nasceu. 


“Quando Julieta nasceu e nos disseram que tinha Síndrome de Down, minha dor veio em forma de nostalgia. Uma doce nostalgia das minhas entranhas, da minha filha. Onde estaria a menina que eu imaginara durante a gravidez?”

“É como ouvir falar muito sobre alguém que não conhecemos (o namorado de uma amiga, o chefe do marido, o avô de uma colega do trabalho). Sem querer, criamos a imagem dessa pessoa. O rosto, a cor do cabelo, o tipo de voz e até mesmo a personalidade. Depois, quando finalmente a conhecemos, é raro que a imagem que criamos coincida com a realidade”.


Muitas passagens falam sobre a frustração e o medo generalizado que é receber uma notícia dessas e também de contar às pessoas que tem uma filha com essa doença. 


"Quando temos um filho com deficiência, escutamos muitas besteiras. Eis algumas delas:
— Tão pequena e já sofrendo [de síndrome de Down]!
— Vai te fazer companhia a vida inteira.
— Nasceu uma princesa.
— Ah, sinto muito, muito mesmo.
— Parabéns!
— Não se preocupe, são crianças a vita inteira. Crescem, mas continuam sendo crianças….
— Mas… Por quê?
— Que azar! Com tudo o que já temos de enfrentar na vida, acontecer algo assim…
— Você ganhou na loteria!
— Eles são muito carinhosos…
— Quase não se nota na sua filha. Só nos olhos. Existe uma operação muito simples para disfarçar os olhos puxados. É muito comum entre os chineses. É fácil, e você vai ver como fica ótimo!
— Você é forte. Vai superar…
— Eles são um presente de Deus.
— São anjos."

Mas acima de tudo isso, Cristina fala de amor, de paciência, de dedicação, de missão de vida, de uma Julieta que adora luvas (de qualquer espécie) e tem medo de guarda-chuvas aberto,  daquela que tem uma incrível capacidade de perdoar e é admiradora declarada da irmã mais nova, Inés.

Esta é uma história linda de uma mãe e uma filha, superações e aceitações de situações que definitivamente não irão mudar.

“Talvez eu tenha escrito tudo isso para saber o que não sabia que sabia. Meu único objetivo era (e ainda é) atravessar a ponte e chegar ao território de Julieta, enxergando-a exatamente como ela é” (pág 149).

Bom, agora vamos ao que achei do livro?

Eu o li em pouquíssimos dias pois tem apenas 149 páginas e algumas delas são compostas por apenas um parágrafo.

Eu o comprei sem ler nenhuma resenha e sem indicações e por esta razão quando vi que seriam apenas algumas passagens, lembranças, sem começo, meio e fim, me decepcionei um pouco, esperava mais conteúdo.

O livro foi esclarecedor em relação à doença, mostrando situações embaraçosas que a mãe passou, seu desespero em estar ou não fazendo a coisa certa e alguns momentos de desabafos de uma pessoa, um ser humano com sentimentos como todos nós e que ainda assim se mostrou uma excelente e paciente mãe.

Até para resenhar fica complicado por não existir um elo, mas é um livro que nos faz pensar na vida, agradecer aos filhos perfeitos e nos questionar como seres humanos. Será que eu teria a força e a coragem que Cristina teve e tem?


Ficou curiosa (o) e quer ler um trecho do livro? então clique AQUI


Para este livro eu dou:


Espero que tenham gostado e que comentem bastante!

Beijos
Chrys


8 comentários:

  1. Oi amiga!
    Então é uma história real?
    Parece ser um livro mais educativo, pois você falou que ela traz as dificuldades por qual passou.
    Parece bem forte, e precisa coragem para dividir com as pessoa uma situação assim.
    A capa é super charmosa.

    Bjos!

    Cida

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Me interessei pelo livro, achei a história emocionante. Me fez pensar bastante em várias questões, tais como: como devem ser os dias das pessoas portadoras da Síndrome de Down? Também me fez lembrar de algumas pessoas que as tratam como se elas fossem diferentes, mas com jeito de pena, sabe? E isso me deixa triste! Infelizmente conheço pessoas que quando veêm até cegos na rua, desviam ser pensar duas vezes. Vou procurá-lo na internet qualquer dia desses, ou vou procurar saber do preço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, o livro normalmente esta naquelas promoções do Submarino, por 10 reais

      Excluir
  3. Olá!
    Estava procurando esse livro no google e de repente parei no seu blog. RS

    Eu já ti vi nos comentários de outro blog, e gostei do seu blog, adorei mesmo.
    Seguindo ;*

    ResponderExcluir
  4. "O difícil é aceitar que esse menino ou menina "imperfeito" tem o nosso sangue!"
    Gostei desse quote, parece ser um bom livro.
    Gosto de leituras diferentes que saem um pouco dessa chatice de 50 tons de cinza, ultimamente é o que tenho visto.
    Mas um para a listinha na minha agenda! Já até anoite, gostei muito muito do seu ponto de vista ♥

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o livro, mas parece ser muito bom e deve nos ajudar na convivência e aceitação dessas crianças/pessoas tão especiais (em todos os sentidos).

    ResponderExcluir
  6. Vou começar falando da beleza da capa, e a diagramação fofa que todos nós leitores sempre levamos em conta.
    Quanto ao livro eu ainda não conhecia, mas como li alguns quotes, consegui ter uma noção do que se trata.
    Gostei muito da ideia da autora passar sua experiência , e só nesse ponto já fui conquistada, quero ler com certeza.

    ResponderExcluir
  7. A capa é muito fofa, só por ela já dá vontade de ler. Gostei bastante dos quotes que você colocou, dá uma vontadezinha de ler mais. Conhecer um pouco mais sobre essas crianças, ainda mais do ponto de vista de uma mãe deve ser muito bom.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós e será sempre respondido, volte para conferir!
Se possível, deixe o link de seu blog, adoramos conhecer espaços novos e retribuir a visita!